Segundo a W3C (World Wide Web Consortium), HTML (abreviação de HyperText Markup Language) é um dos 3 pilares da Web, e de forma resumida pode-se defini-lo como: uma linguagem de publicação de conteúdo (texto, imagem, vídeo, áudio e etc) na Web.

Baseado no conceito de Hipertexto, que são conjuntos de elementos (imagens, vídeos, áudio, documentos e etc.), o HTML, se propõe a utilizar uma linguagem que seja entendida universalmente para a distribuição da informação de maneira global. Com isso, a partir da publicação dos primeiros navegadores, desenvolvedores e fabricantes utilizam o HTML como base, compartilhando as mesmas convenções.
Em 1997, a W3C publicou a versão 3.2 da linguagem, a partir daí, o HTML passou a ser tratado como um padrão universal na publicação de conteúdo para a Web, independente de plataforma, browser, ou outros meios de acesso. Outras versões melhoradas da linguagem foram publicadas pela W3C: HTML 4, XHTML 1.0 e XHTML 1.1. O XHTML tem em vista a acessibilidade, combinando as marcações HTML com as regras XML.

A divergência de opiniões, a respeito dos rumos do XHTML, levou a formação de um grupo, chamado WHATWG (What Working Group), que era inicialmente formado por desenvolvedores de empresas como Mozilla, Apple em Opera. O objetivo era criar uma versão mais flexível do HTML, o resultado, foi o que chamamos hoje de HTML 5.

O HTML 5 cria novas tags e modifica outras. As versões anteriores do HTML não possuíam um padrão para a criação de seções comuns e específicas como rodapé, cabeçalho, menus. Tampouco, existia um padrão de nomenclatura para Ids, classes, tags, ou métodos para capturar de maneira automática as informações localizadas nos rodapés dos websites.

A criação de outras tags para manipulação de vídeos, áudio e gráficos, como a integração com o SVG torna dispensável a utilização de plug-ins proprietários, como o Adobe Flash. Essas inovações modificam a forma como escrevemos código e organizamos a informação na página, como resultado há mais semântica e menos código.

Este minicurso tem como objetivo, apresentar as diversas formas que o HTML 5 tem tornado mais acessível o desenvolvimento de aplicações ricas para a Web. Abordando o histórico da linguagem, suas principais convenções e melhores práticas de desenvolvimento.